Domingo, 9 de Agosto de 2009

Hoje para o jantar

 
A bem da minha sanidade mental e vontade de não ter que prescindir de tudo o que gosto até que os senhores meus filhos saiam de casa, houve necessidade de fazer dois pratos diferentes. Porque eu lutarei pelo meu direito ao caril nem que isso me custe uns bifinhos de lombo de porco com molho de leite e louro (já explico, primeiro o caril).
Agora que editei o livro já não preciso de ensinar tudo, não é? No livro explico tudo o que sei, aqui deixarei apenas as receitas, melhor forma de as conseguir partilhar com mais assiduidade.

Portanto, o caril. De frango porque eu não gosto de borrego. Dois peitos (uma tendência minha) cortados em cubos (favor desligar o imaginário peitoral senão soa doloroso). Numa tigela onde acrescento ervilhas (podem estar congeladas), cenoura cortada em rodelas, brócolos ("raminhos inteiros que o bróculo depois desfaz-se, o que é bom porque assim, eu que não gosto de brócolos, como-os. Tudo cru. O legumame usado é ao gosto de cada um, ou como no meu caso, à disponibilidade frigorífical.

Depois faço a molhonga que vai dar sabor a isto tudo. Num recipiente alto, tipo tuperware agirafado ou em alternativa uma tigela alta, 2 iogurtes naturais (cuidado gajada, é sem açúcar, aparentemente também os há "açucarados"), coentros, um pouco de gengibre em pó (se não tem devia ter mas se prometer que vai comprar, desta vez passa. Pode continuar a fazer o caril. Podia usar cravinho mas já sei que no máximo pode adicionar ao gengibre para comprar), falta ainda caril em barda, pimenta branca (é a quantidade desta que vai regular o picantómetro do prato), sal. Com a varinha mágica, o electrodoméstico com o nome mais estúpido da cozinha, desfaz-se tudo até criar uma pasta, quanto mais espessa, melhor. Se ficar muito líquida, há uma batotice que se pode fazer no final.

Vai tudo para o tacho com um pouco de azeite no fundo. Depois de ferver um minuto, rega-se tudo com leite, até quase cobrir - não se deixe enganar pelos sacanas dos brócolos e das ervilhas que flutuam! Senão bem pode deitar o pacote todo que aquilo está sempre quase até cobrir. Espere até ferver, baixe o lume até manter a fervura no mínimo, mas apanhando todo o tacho, às vezes é uma guerra com o bico, do fogão.

Dê-lhe uma boa meia hora mexendo de vez em quando. Acrescente leite se começar a ficar seco. No inverso, ponha lá na lista Maizena express molhos. A mítica farinha maizena, só que esta cozinha em 1 minuto e já não faz granulos - se não sabe o que isto é... não queira saber.
Ao fim da meia hora deve ter os legumes bem cozinhados, verifique na cenoura, que é a mais teimosa para cozer.

Os bifinhos, esses é um instante, aproveita-se enquanto o caril cozinha que assim fica debaixo de olho. Alguém que me desminta: um homem, ao contrário da mulher, não conseguem deixar a comida ao lume e ir fazer outra coisa. Eu não consigo. Ponham-me a assar um frango no forno e capaz sou de puxar de uma cadeirinha e sentar-me ali a ver TvForno, o que pode ser bem mais interessante do que 99% dos canais que me deixam ZONzo no maldito cabo.

Frigideira, um bocadinho pouco de azeite, 2-3 folhas de louro, lume, bifes lá para dentro, sal, ferve, vira os bifes, se levarem pimenta preta fica bom mas para quem é, mais prudente ficar pelo sal que se a minha pulguinha sente pimenta temos chatice e não vale a pena. Deito uma boa leitada lá para dentro, meio-gordo, não sejam fundamentalistas anti-gordura, o magro não sabe mesmo a nada, é o mesmo que por água e tinta branca, e é só deixar ferver em lume daquele que borbulha suavemente, o que eu chamo Lume Marlon, brando.
Enquanto os dois cozinham ainda tem tempo de por arroz branco a cozer e entre mexer o caril, virar os bifes, mexer o arroz - no livro há um quase tratado sobre O Arroz onde contrario o teoria de que não se deve mexer o arroz enquanto coze, desculpem a repetição da publicidade, e fica tudo pronto ao mesmo tempo.

Demorou 1 horita, vou jantar uma coisa que gosto e os putos também, vai ser pacífico, sem guerras e a minha mulherzinha já não tem que fazer o jantar logo à tarde (esta foi só para ela ler e para por mulheres a dar na cabeça de maridos nos lares onde for lido... o que, pensando bem, não sei se será boa ideia, mas pronto, lá está, já está).
 
publicado por joao moreira de sá às 16:38
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De PR a 31 de Março de 2008 às 17:53
E que tal colocar aqui uma fotografia dos pratos já feitos? É que os olhos também comem....
De joao moreira de sá a 1 de Abril de 2008 às 09:10
Pois devia... e até li o comentário antes do jantar, mas depois esqueci-me... (sou optimo em auto-promoção!)

Vou ficar mais atento para a próxima, obrigado.

Comentar post

Manjares do Arcebispo" (2ª edição disponível em paperback 11.35€ e e-book download 2,50€)


COMPRAR ONLINE: BUBOK

Joao Moreira de Sa

Cria o teu cartão de visita

Twitter

pesquisar

 

mais sobre mim

Quem???

Uma mente delirante e não muito normal encerrada num corpo com 39 anos (embora um teste da Sábado diga que na realidade tenho 47). Presentemente desempregado mas com boas perspectivas de conseguir vir a trabalhar num call-center. Escrevo porque não gosto lá muito de falar e como irresponsável que sou, acredito que um dia ainda irei conseguir ser pago para escrever. jmoreiradesa@gmail.com

Belogues do Arcebispo

posts recentes

Lombos de pescada no forn...

Lombinho de porco no forn...

Spaghetti Bolognese a la ...

"Manjares do Arcebispo" -...

Do livro para o blogue: "...

Tostas

Minch à Arcebispo

Casco de Sapateira rechea...

Batatas com Molho de Mari...

Frango assado no forno

arquivo

Dezembro 2011

Outubro 2011

Abril 2010

Fevereiro 2010

Setembro 2009

Agosto 2009

Janeiro 2008

Novembro 2007

Setembro 2007

Maio 2007

Abril 2007

Janeiro 2007

PUB

Novos Posts por Email

Endereço de email:

fornecido porFeedBurner

blogs SAPO

subscrever feeds